Sábado, 25 de Setembro de 2021
19°

Poucas nuvens

Tenente Portela - RS

Economia Economia

Conta corrente que rende mais do que a poupança não é investimento

Manutenção de R$ 2.000 em uma conta que paga 127% do CDI por dois meses resulta em um retorno 40% maior que o da caderneta

26/07/2021 às 02h05
Por: Radar Nacional Fonte: R7 - Alexandre Garcia, do R7
Compartilhe:

Amplamente ofertadas pelas instituições financeiras com a promessa de proporcionar uma rentabilidade acima da poupança, as contas correntes com remuneração atrelada ao CDB (Certificados de Depósito Bancário) requerem atenção especial e não podem ser tratadas como uma forma de investimento.

Em um exemplo prático, um montante de R$ 2.000 mantido em uma conta que paga 127% do CDI rende R$ 13,40 (+0,67%) após dois meses.

Na poupança, o ganho seria de R$ 9,61 (+0,48%), valor 28,3% inferior.

Leia mais: Poupança tem a maior perda de poder aquisitivo em 30 anos

O planejador financeiro da Academia Fiduc, Valter Police, reconhece que “qualquer ganho é melhor do que nada”, mas alerta para o ainda baixo retorno proporcionado pela ferramenta oferecida por fintechs e bancos tradicionais.

“A pessoa não pode se iludir pensando que, como vai ganhar 100% do CDI na conta, está com a situação financeira resolvida. [...] O retorno de curto prazo é desprezível, cerca de 4% ou 5% ao ano. Não é essa diferença que vai fazer a pessoa ganhar dinheiro ao longo do tempo", explica Police.

Thiago Godoy, especialista em educação financeira da Xpeed, avalia que as contas com rendimento ligados ao CDI oferecem uma facilidade aos clientes, mas ainda estão distantes de investimentos que oferecem a mesma liquidez.

Para o investidor iniciante, existe a questão da inércia. Ele vê o dinheiro rendendo e não acredita que existe a necessidade de movimentar.

Thiago Godoy

Ele explica que as instituições financeiras precisam manter ao menos 80% dessas aplicações em títulos ligados à taxa básica de juros, a Selic, como referência.

Questão emocional

Police cita ainda o que classifica como uma "questão emocional" para alertar que é permanência dos recursos na mesma conta utilizada no dia a dia pode ser uma armadilha para quem deseja poupar.

Esse dinheiro aparece sempre quando você puxa o saldo e dá a impressão de que ele está disponível, o que motiva o consumo.

Valter Police

“O ideal, quando você pensa em investimento, é deixar os recursos alocados separadamente, para que você nem olhe para eles. Então, uso ideal para essas contas remuneradas é para o dinheiro do próprio mês”, orienta ele.

A sugestão dos especialistas é que o montante seja realocado, mesmo que em um outro título que ofereça a mesma rentabilidade.

“Isso vai tirar a tentação de gastar o dinheiro, porque existe a impressão de que ele está menos disponível”, indica Police.

Para Godoy, estão também disponíveis outras opções mais favoráveis que pagam até 200% do CDI para quem deixar o dinheiro parado por dois meses.

"Ela vai ter que investir? Vai, mas vai ganhar o dobro alocando um valor baixa", recomenda ele ao citar os investidores mais conservadores.

Os educadores financeiros orientam ainda que os consumidores fiquem atentos à garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), se a empresa responsável pelo investimento é sólida e em quais ativos serão alocados os recursos investidos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias