OUÇA 100,7 AO VIVO
Quinta, 22 de outubro de 2020
55 3551 1200 I Jornal - 55 3551 1121 I CNPJ: 03.043.551/0001-20
Geral

16/09/2020 ás 11h14

Eduardo Sarvadori

Tenente Portela / RS

Pesquisa mostra desaceleração da Covid-19 e queda na proporção de pessoas com anticorpos no Brasil
Coordenada pela Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), pesquisa apontou ainda que a queda foi menor entre os idosos e as crianças.
Pesquisa mostra desaceleração da Covid-19 e queda na proporção de pessoas com anticorpos no Brasil
Pesquisadores retiram uma gota de sangue para identificar anticorpos contra a Covid-19 — Foto: Daniela Xu/UFPel

O maior estudo epidemiológico sobre coronavírus no Brasil revelou que a Covid-19 está desacelerando no país. Coordenada pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), a pesquisa mostrou, em sua etapa mais recente, que o número de brasileiros com anticorpos do Sars-Cov-2 - e que, portanto, tiveram contato com o vírus - diminuiu com relação ao período anterior avaliado. 


Os dados divulgados nesta terça-feira (15) indicam que, na fase quatro da pesquisa (com amostras coletadas entre 27 e 30 de agosto), 1,4% dos entrevistados tiveram contato com o coronavírus. Na fase 3 (amostras coletadas entre 21 e 24 de junho), o número havia sido 3,8%. 


De acordo com os pesquisadores, ao contrário do que se pensava no início da pandemia, os anticorpos que são detectados pelo teste duram apenas algumas semanas. Isso confirma o que já foi verificado em diversos países e vale para diferentes tipos de testes – e não somente para os rápidos, como os utilizados na pesquisa. 


Para os pesquisadores, a queda em níveis de anticorpos ao longo do tempo não indica que as pessoas deixem de estar protegidas, já que o organismo guarda a memória imunológica para produzir anticorpos rapidamente em caso de uma nova infecção. 


As pessoas com testes positivos na última fase da pesquisa tiveram infecções relativamente recentes, informou o coordenador-geral do estudo e reitor da Ufpel, Pedro Hallal. Já as infectadas há mais tempo apresentaram resultado negativo nesta etapa. 


A quarta fase da Epicovid-19 fez 33.250 testes e entrevistas entre os dias 27 e 30 de agosto. Esta etapa é a primeira financiada pela iniciativa privada. A fase anterior coletou dados entre os dias 21 e 24 de junho, com o mesmo número de entrevistados. A segunda fase aplicou 31.165 testes, de 4 a 7 de junho. A primeira fase foi realizada duas semanas antes, de 14 a 21 de maio, com 25.025 testes e entrevistas. 


Segundo o estudo, o maior percentual de infecção foi observado na Região Norte (2,4%) e no Nordeste (1,9%). No Sul, Centro-Oeste e Sudeste, o percentual de infecção ficou em 0,5%. 


"A interiorização da pandemia, migrando das grandes cidades, das capitais, em direção ao interior foi confirmada na nossa pesquisa. Hoje, por exemplo, as duas cidades com maior proporção da população infectada estão na Região Nordeste e são duas cidades do interior: Juazeiro do Norte e Sobral", explica Hallal.


O maior estudo epidemiológico sobre coronavírus no Brasil revelou que a Covid-19 está desacelerando no país. Coordenada pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), a pesquisa mostrou, em sua etapa mais recente, que o número de brasileiros com anticorpos do Sars-Cov-2 - e que, portanto, tiveram contato com o vírus - diminuiu com relação ao período anterior avaliado. 


Os dados divulgados nesta terça-feira (15) indicam que, na fase quatro da pesquisa (com amostras coletadas entre 27 e 30 de agosto), 1,4% dos entrevistados tiveram contato com o coronavírus. Na fase 3 (amostras coletadas entre 21 e 24 de junho), o número havia sido 3,8%. 


De acordo com os pesquisadores, ao contrário do que se pensava no início da pandemia, os anticorpos que são detectados pelo teste duram apenas algumas semanas. Isso confirma o que já foi verificado em diversos países e vale para diferentes tipos de testes – e não somente para os rápidos, como os utilizados na pesquisa. 


Para os pesquisadores, a queda em níveis de anticorpos ao longo do tempo não indica que as pessoas deixem de estar protegidas, já que o organismo guarda a memória imunológica para produzir anticorpos rapidamente em caso de uma nova infecção. 


As pessoas com testes positivos na última fase da pesquisa tiveram infecções relativamente recentes, informou o coordenador-geral do estudo e reitor da Ufpel, Pedro Hallal. Já as infectadas há mais tempo apresentaram resultado negativo nesta etapa. 


A quarta fase da Epicovid-19 fez 33.250 testes e entrevistas entre os dias 27 e 30 de agosto. Esta etapa é a primeira financiada pela iniciativa privada. A fase anterior coletou dados entre os dias 21 e 24 de junho, com o mesmo número de entrevistados. A segunda fase aplicou 31.165 testes, de 4 a 7 de junho. A primeira fase foi realizada duas semanas antes, de 14 a 21 de maio, com 25.025 testes e entrevistas. 


Segundo o estudo, o maior percentual de infecção foi observado na Região Norte (2,4%) e no Nordeste (1,9%). No Sul, Centro-Oeste e Sudeste, o percentual de infecção ficou em 0,5%. 


"A interiorização da pandemia, migrando das grandes cidades, das capitais, em direção ao interior foi confirmada na nossa pesquisa. Hoje, por exemplo, as duas cidades com maior proporção da população infectada estão na Região Nordeste e são duas cidades do interior: Juazeiro do Norte e Sobral", explica Hallal. 


A quarta fase do estudo epidemiológico mostrou uma mudança no padrão etário dos infectados entre junho e agosto. Entre crianças e idosos, a queda foi inferior ao visto entre adultos. Para o coordenador da pesquisa, as altas prevalências em crianças brasileiras difere do que tem sido relatado em outras regiões do mundo, como a Europa e a China. Um reflexo da diminuição do distanciamento social.


Notícias no WhatsApp:


Receba as notícias do Site Clic Portela no seu telefone celular? Clique aqui e faça parte do nosso grupo de WhatsApp.

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium