OUÇA 100,7 AO VIVO
Sexta, 13 de dezembro de 2019
55 3551 1200 I Jornal - 55 3551 1121 I CNPJ: 03.043.551/0001-20
Geral

27/11/2019 ás 16h52 - atualizada em 27/11/2019 ás 16h54

Diones Roberto Becker

Tenente Portela / RS

Orçamento estadual para 2020 prevê déficit de R$ 5,2 bilhões
Palácio Piratini estima receita em R$ 61,2 bilhões e despesas em R$ 66,4 bilhões
Orçamento estadual para 2020 prevê déficit de R$ 5,2 bilhões
Projeto de Lei do Orçamento Anual de 2020 foi aprovado pela Assembleia Legislativa na tarde desta terça-feira (26) (Foto: Celso Bender/Agência AL-RS)

Com 38 votos favoráveis, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul (AL/RS) aprovou o Projeto de Lei do Orçamento Anual (LOA) de 2020, em sessão na tarde desta terça-feira (26). Dez deputados votaram contra a proposta.


O texto final estima despesas de R$ 66,4 bilhões ao longo do próximo ano e restabelece o limite zero na expansão dos gastos com recursos do Tesouro do Estado para 2020. O Palácio Piratini prevê receita de R$ 61,2 bilhões, o que representa um déficit de R$ 5,2 bilhões em relação às despesas estimadas.


Por conta da crise fiscal, o Governo do Rio Grande do Sul propôs ainda, através da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), a necessidade de manter os gastos no mesmo patamar de 2019, iniciativa que chegou a ser alvo de contestação judicial.


A proposta orçamentária compreende a previsão das receitas e a fixação das despesas de todos os poderes e órgãos da administração direta, autarquias e fundações, bem como define o custeio e investimento das empresas estatais gaúchas.


Sem considerar cerca de R$ 16,3 bilhões de movimentações intraorçamentárias (transferências destinadas, em especial, ao financiamento da previdência pública e do plano de saúde dos servidores), o total dos gastos será de R$ 50,1 bilhões, mantendo no mesmo patamar a diferença diante da arrecadação prevista de R$ 44,9 bilhões.


A partir de 2020, as transferências aos municípios (R$ 11 bilhões correspondentes às cotas de ICMS e IPVA) serão deduzidas diretamente das receitas. Houve ainda a aprovação para destinar R$ 32 milhões através de prioridades definidas por meio de emendas parlamentares e de outros R$ 23 milhões que irão aportar mais recursos para o processo da Consulta Popular e políticas de combate à violência contra as mulheres. O texto com as emendas teve o aval da Comissão de Finanças, Planejamento, Fiscalização e Controle da Assembleia Legislativa, há duas semanas, quando aprovou o parecer do deputado Mateus Wesp.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium