OUÇA 100,7 AO VIVO
Segunda, 19 de agosto de 2019
55 3551 1200 I Jornal - 55 3551 1121 I CNPJ: 03.043.551/0001-20
Cidades

07/08/2019 ás 18h34

Jonas Martins

Tenente Portela / RS

Justiça anula concurso realizado em São Martinho
O certame foi realizado no ano de 2011
Justiça anula concurso realizado em São Martinho
O concurso foi realizado em São Martinho no ano de 2011 (Foto: Reprodução)

A Justiça condenou o Município de São Martinho e a empresa Silvia Lucchesi – Sellector Concursos determinando a anulação de um concurso público realizado no município em 2011.


De acordo com a sentença, publicada em 01 de agosto de 2019 pela juíza Evelise Mileide Boratti da Comarca de Santo Augusto, em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público, deverão ser declarados nulos o Pregão Presencial que habilitou a empresa, o concurso público e, por consequência, todas as nomeações dele decorrentes.


Entenda o caso


Diversas irregularidades foram apuradas na época. Uma funcionária municipal, que fazia parte da comissão de licitação, compareceu à Promotoria informando que sua assinatura havia sido falsificada em documentos referentes a um concurso público a ser realizado pelo Município de São Martinho. A mesma teria encaminhado um ofício ao então Prefeito solicitando a retirada de seu nome da referida comissão.


De acordo com a denúncia, a Secretária de Planejamento época teria sido a responsável pela falsificação, fato inclusive confessado pela mesma durante um inquérito policial.


O MP então emitiu uma Recomendação ao Município de que o certame não fosse adiante, o que de fato não ocorreu.


Ainda de acordo com o Ministério Público, um novo pregão foi realizado e a mesma empresa foi a vencedora. Ocorre que, à época de tal pregão, a mesma havia mudado sua atividade principal de Aplicação, correção, identificação de provas em concursos, revisão de provas em concursos em geral” para “Preparação de documentos e serviços especializados de apoio administrativo não especificados anteriormente”. Mesmo ciente dessa alteração e da incapacidade da empresa, o Município realizou o concurso.


Tendo solicitado cópias das provas, o MP constatou que as questões formuladas, em sua maioria, eram apenas cópias de questões de provas anteriores já realizadas pela empresa e que o mesmo já teria ocorrido em outros certames, o que levou o órgão ministerial a concluir que havia fortes indícios de fraude. Durante a investigação, foram cumpridos mandados de busca e apreensão de computadores na empresa.


 


A condenação


Conforme narra a sentença, algumas informações colhidas nas investigações chamam a atenção. Houve uma discrepância enorme entre as marcações feitas na prova de uma candidata com as marcações que foram passadas para o cartão-resposta (gabarito). Outra questão curiosa: dos treze cargos previstos, doze dos primeiros colocados eram do Município de São Martinho e com alguma vinculação política. Ainda que não fossem objeto da ação, tais fatos foram considerados pela magistrada na sentença.


Sendo assim, a sentença declarou “nulo o Pregão Presencial nº 017/2011, o concurso aberto pelo Edital de Concurso Público nº 005/2011 do Município de São Martinho/RS e, por consequência, as nomeações dele decorrentes.”


Por ser uma decisão de primeira instância, cabe recurso. A íntegra da sentença pode ser acessada emhttp://www.tjrs.jus.br/busca/?tb=proc e o processo está registrado sob o número 123/1.12.0000822-6.


 

FONTE: Observador Regional

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium