OUÇA 100,7 AO VIVO
Segunda, 19 de agosto de 2019
55 3551 1200 I Jornal - 55 3551 1121 I CNPJ: 03.043.551/0001-20
Geral

19/07/2019 ás 19h27 - atualizada em 19/07/2019 ás 19h30

Diones Roberto Becker

Tenente Portela / RS

ONU afirma que 1,7 milhão de pessoas foram infectadas pelo vírus HIV no ano passado
Número representa uma redução de 16% em relação ao ano de 2010
ONU afirma que 1,7 milhão de pessoas foram infectadas pelo vírus HIV no ano passado
Informações foram divulgadas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Arte: Divulgação)

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) divulgou que cerca de 1,7 milhão de pessoas em todo o mundo foram infectadas pelo vírus em 2018. O número representa uma redução de 16% em relação a 2010. O documento ‘Atualização Global sobre a Aids - Comunidades no centro’ revela que a queda foi impulsionada principalmente por progressos no leste e no sul da África.


O estudo alerta, entretanto, que, enquanto alguns países têm avanços acentuados, outros observam o aumento de novas infecções pelo vírus e de mortes relacionadas à Aids. O relatório aponta ainda uma desaceleração na redução de novas infecções por HIV.


– A epidemia do HIV pôs em foco muitas falhas da sociedade. Onde há desigualdades, desequilíbrios de poder, violência, marginalização, tabus, estigma e discriminação, o HIV toma conta – avalia a diretora do UNAIDS, Gunilla Carlsson.


Segundo o documento, o panorama da epidemia no mundo está mudando. Em 2018, mais da metade de todas as novas infecções por HIV foram em pessoas que integram as chamadas populações-chave, que incluem profissionais do sexo, pessoas que usam drogas, homens gays, homens que fazem sexo com homens, transexuais e presidiários e seus parceiros. Globalmente, as novas infecções por HIV entre mulheres jovens (com idade entre 15 e 24 anos) caíram 25% entre 2010 e 2018.


– Essa é uma boa notícia, mas, é claro, continua a ser inaceitável que seis mil meninas adolescentes e mulheres jovens sejam infectadas pelo HIV toda semana. A saúde sexual e reprodutiva e os direitos das mulheres e jovens muitas vezes ainda são negados – aponta Gunilla Carlsson.

FONTE: Agência Brasil

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium