OUÇA 100,7 AO VIVO
Quarta, 19 de junho de 2019
55 3551 1200 I Jornal - 55 3551 1121 I CNPJ: 03.043.551/0001-20
Geral

05/06/2019 ás 16h40 - atualizada em 05/06/2019 ás 16h44

Diones Roberto Becker

Tenente Portela / RS

Taxa de homicídios no RS cresceu pela quarta vez
Dados divulgados nesta quarta-feira (05) são referentes ao ano de 2017
Taxa de homicídios no RS cresceu pela quarta vez
No período analisado, foram 3.316 assassinatos no Rio Grande do Sul (Foto: Diones Roberto Becker)

O Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) divulgaram nesta quarta-feira (05), o Atlas da Violência 2019.


O estudo revela que a taxa de homicídios no Rio Grande do Sul cresceu pela quarta vez consecutiva e atingiu o maior número em dez anos. Em 2017, o estado contabilizou 29,3 mortes a cada 100 mil habitantes.


Para chegar ao índice, os pesquisadores calculam os números de homicídios para cada 100 mil habitantes. Desta forma, a contagem permite a comparação entre locais com diferentes tamanhos de população, criando um padrão para análise.


Apesar do crescimento no período, o Rio Grande do Sul ainda está abaixo da média nacional (31,6 homicídios a cada 100 mil habitantes) e ocupa o 20º lugar entre os 26 estados e o Distrito Federal. Em números absolutos, o RS é o oitavo com mais assassinatos. Em 2017, segundo o Atlas da Violência, foram 3.316 casos no território gaúcho.


O sociólogo Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo, integrante do FBSP, aponta ainda como motivo para o aumento da taxa o descontrole no sistema prisional, citando o exemplo do Presídio Central de Porto Alegre, que acaba por fortalecer as facções. – Na medida em que se há uma política de encarceramento pesado, via prisão preventiva, especialmente de soldados do tráfico, eles acabam dentro da prisão sendo arregimentados e vinculados à dinâmica e ao domínio de território, que vai acontecer tanto fora quanto dentro do presídio – comenta o sociólogo.


Rodrigo Ghiringhelli Azevedo destaca também que o Rio Grande do Sul sempre manteve uma taxa bastante abaixo da média nacional, cenário que começou a mudar a partir de 2015, quando os números se aproximaram.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium