OUÇA 100,7 AO VIVO
Quarta, 19 de junho de 2019
55 3551 1200 I Jornal - 55 3551 1121 I CNPJ: 03.043.551/0001-20
Especiais

09/01/2019 ás 06h05

Eduardo Sarvadori

Tenente Portela / RS

Técnicos do governo elaboram proposta que facilita posse de armas em cidades violentas
Texto deverá passar por aprovação de Jair Bolsonaro e ser editado até a próxima semana
Técnicos do governo elaboram proposta que facilita posse de armas em cidades violentas
Foto: ZH

O texto do decreto que flexibiliza a posse de armas elaborado por técnicos do governo prevê facilitar a permissão para moradores de municípios com mais de 10 homicídios a cada 100 mil habitantes. As informações foram obtidas pela TV Globo na noite desta terça-feira (8).


A flexibilização da posse de armas é uma das principais bandeiras de campanha de Jair Bolsonaro. Entre as medidas propostas, está a comprovação da "efetiva necessidade" para moradores de zonas rurais. Por ser um decreto, o texto não tem poder de alterar dispositivos da lei atualmente em vigor, como a idade e os requisitos — antecedentes criminais, exame psicotécnico e curso de tiro — mas é possível alterar a duração das atuais permissões e também a extensão delas.


 O tema foi um dos assuntos tratados na segunda reunião ministerial do novo governo, nesta terça-feira (8), no Palácio do Planalto. Entre as principais mudanças na regra, está a adoção de critérios objetivos para a compra do equipamento, reduzindo a subjetividade da análise de um delegado da Polícia Federal sobre a "necessidade específica" da aquisição.


De acordo com o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a ação irá atender a quem votou defendendo a "legítima defesa" no referendo organizado em 2005. Em entrevista à Rede Globo, pontuou que este foi um dos principais compromissos de campanha assumidos pelo presidente.


 — No fim desta semana, início da próxima, a gente já pode ter o decreto que vai flexibilizar a questão da posse de armas, atendendo a um compromisso dele (Bolsonaro), nosso e também de todos aqueles que lutaram, como ele, lá em 2005, pelo referendo, em que a população explicitou de maneira clara, 64% dos brasileiros, que deseja manter o direito à legítima defesa.


A regra definirá apenas a posse, não liberando o cidadão para andar armado nas ruas, o que poderá ser feito futuramente por meio de lei. As armas não serão vendidas para quem possuir antecedentes criminais. Será preciso, ainda, passar por um teste de aptidão.


Ainda há dúvidas em relação a outros pontos, como a liberação da compra de arma apenas para quem possuir um cofre em casa. Outro item é a possibilidade de ampliação do prazo de do registro da arma de três para 10 anos, ampliando o prazo para a renovação de licenças. 


 


Fonte: ZH

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium